Ulisses garante despartidarização das embaixadas e consulados

Ulisses garante despartidarização das embaixadas e consulados

No seu último dia de campanha em Portugal, Ulisses Correia e Silva esteve este domingo no Algarve. Intervindo numa sessão pública que teve lugar em Lagos, o presidente democrata garantiu que o seu governo vai acabar com a partidarização das missões diplomáticas caboverdianas.

Transformadas em autênticas sedes do atual partido no poder, Ulisses quer embaixadas e consulados ao serviço da Nação e dos cidadãos e não a fazerem fretes a partidos políticos.

Diplomatas não são representantes do partido no poder

12744029_10154008489319722_4250388381516510045_n

Segundo o candidato a primeiro-ministro diplomatas não são sequer representantes do governo e, muito menos dos partidos, mas sim representantes da Nação, e por isso são nomeados pelo Chefe de Estado.

Melhorar a rede e a proteção consular aos caboverdianos no estrangeiro será, de igual modo, uma prioridade do governo democrata.

O presidente do MpD, perante um auditório do Centro Cultural do Convento de São José cheio de caboverdianos residentes na região do Algarve, voltou a garantir a criação do estatuto do investidor-imigrante, para que os empresários caboverdianos da diáspora possam investir em condições mais favoráveis no país, como aliás acontece com os investidores estrangeiros que apostam em Cabo Verde.

Novo ciclo, nova atitude

12745987_10154008490299722_8631904477731087120_n

Quanto às linhas gerais da governação, Ulisses Correia e Silva pretende abrir um novo ciclo e uma nova atitude, com mensagens de confiança no que respeita à resolução dos problemas do país, dando combate ao desemprego e à elevada taxa de pobreza. Intenções que só serão possíveis através da criação de um bom ambiente de negócios, encontrando soluções para o crescimento de uma economia robusta. No horizonte, o objetivo da próxima legislatura, em termos económicos, é um crescimento médio anual de sete por cento.

Mais uma vez o “efeito Ulisses” fez-se sentir, como já tinha acontecido no Norte de Portugal (ver aqui). A sala cheia, para além de conhecidos militantes locais do MpD, estava fundamentalmente composta por cidadãos sem qualquer atividade partidária, que apaixonadamente falaram sobre os problemas da comunidade e do país, mas revelando um grande confiança num futuro diferente.

 

Com: Cabo Verde Direto

Related posts

Leave a Reply

Deixar uma resposta