Conferência De Imprensa Evolução Dados Emprego 2010/2016.

17759745_10155250760764722_8505797668431014157_nNa sequência da recente publicação de dados sobre o emprego pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), temos assistido a um debate, pelos diversos intervenientes políticos, demasiado focado no desemprego, face à informação disponibilizada pelo INE.

Segundo a metodologia adoptada e que permite a comparabilidade a nível internacional, é considerado desempregado, todo o individuo que cumulativamente:

1.º Não tenha trabalhado pelo menos 1 hora na semana de referência;

2.º Tenha procurado emprego nas últimas 4 semanas; e

3.º Esteja disponível para exercer uma actividade (imediatamente).

Fazendo uma pequena recolha dos últimos anos, temos os seguintes principais valores:17800049_10155250768274722_4143617895134140850_n

Uma análise cuidada aos dados permite chegar às seguintes principais conclusões:

1.º Pela 1ª vez na história do país, temos mais de 200.000 cabo-verdianos (209.725) activos no mercado de trabalho;

2.º Pela 1ª vez, para além de 2012, nos últimos 7 anos a população inactiva diminuiu, passando de 158.910 para 140.467, ficando aos níveis de 2011;

3.º A taxa de actividade, que mede o nível geral de participação da população activa no mercado de trabalho, assumiu em 2016 o valor mais alto desde 2010;

4.º Em 2012 e 2013, tivemos praticamente o mesmo número de desempregados, mas agora temos mais cerca de 20.000 empregados que nesses anos; e

5.º Apesar da taxa de desemprego ter aumentado (15%) ela é inferior a 3 das últimas taxas de desemprego (2012/2013 e 2014).

Ou seja, o aumento da taxa de desemprego, deve-se essencialmente ao facto de que o aumento da população activa (11%) foi mais expressivo que o aumento do emprego (7,8%)…

Ou por outras palavras muitos cabo-verdianos acreditaram neste Governo, e devem continuar a acreditar pois antes estavam desanimados, sequer procuravam emprego, e em 2016 procuraram… e muitos encontraram, nomeadamente 209.725!!!

Por outro lado, houve uma criação líquida de postos de trabalho de 5.884, ao contrário de 2013 e 2014, onde a taxa de desemprego desceu, mas houve destruição líquida de postos de trabalho (903 e 582 postos, respectivamente)!!!

É preciso não esquecer que o orçamento de 2016 foi aprovado em Julho, sendo a recolha do INE sido feita no último trimestre do ano, ou seja com menos de 6 meses para ter impacto total na economia.

Não poderíamos concluir sem reiterar uma mensagem de esperança e confiança aos cabo-verdianos que ainda se encontram no desemprego.

Este governo tudo fará para

i) continuar a melhorar o ambiente de negócios,

ii) continuar a apoiar o tecido empresarial nacional,

iii) continuar a apoiar o Investimento Direto Estrangeiro,e

iv) continuar a retirar os obstáculos existentes ao crescimento económico do país, pois só assim garantiremos o acesso dos cabo-verdianos ao rendimento condigno.

Estamos convictos que o crescimento estimado para 2017 de 5%, irá continuar esta senda de maior número de cabo-verdianos empregados, e maior acesso ao rendimento.

Nós acreditamos, e agradecemos aos milhares que também acreditam!

Miguel Monteiro,
Secretário-geral

Related posts

Leave a Reply

Deixar uma resposta