12004815_10153685387779722_921105488481953146_n

Conferência de Imprensa a propósito da recusa de vistos a três atletas da seleção cabo-verdiana de andebol


A propósito da recusa de vistos a três atletas da seleção cabo-verdiana de andebol, a JPAI acusa o Governo imputando-lhe responsabilidades e atacando a política externa do país.

Este tipo de investida é já uma marca do PAICV e da sua liderança: radicalismo, populismo e falta de sentido de Estado. Tudo serve para alimentar a sua sede de poder.
Sabe muito bem o PAICV que a concessão de vistos não é da responsabilidade do Governo de Cabo Verde.

Sabe muito bem o PAICV que durante os 15 anos em que esteve no Governo, várias foram as situações de recusa de vistos a cidadãos cabo-verdianos, jovens, atletas, artistas, empresários.

Sabe muito bem que quase diariamente vistos são concedidos e vistos são recusados pelo Centro Comum de Vistos, pela embaixada dos EUA e por outras representações diplomáticas.

Sabe muito bem que não se trata de um problema de política externa de Cabo Verde, mas de procedimentos adotados por países estrangeiros na concessão de vistos de entrada nos seus territórios.

Por detrás do que o PAICV classifica como preocupação com a política externa, está a alimentação de sentimentos anti-estrangeiros e da ideia de que são os guardiões do nacionalismo e do patriotismo. Este tipo de abordagem é próprio de partidos populistas.

Procuram através de fala mansa atiçar os jovens contra o Governo usando o visto como arma de arremesso e passando a ideia de que o Governo nada faz para defender os interesses daqueles que querem viajar para o estrangeiro, ao mesmo tempo que concede isenção de vistos a cidadãos europeus.

É preciso esclarecer que a isenção de vistos a cidadãos de países europeus, diversas vezes explicada, foi uma iniciativa unilateral do Governo de Cabo Verde para aumentar a atratividade do país para o turismo. Vários outros países africanos adotaram iniciativa idêntica. O PAICV sempre viu essa iniciativa como um campo de batalha ideológica e de exploração de sentimentos nacionalistas. A conferência de imprensa do Presidente da JPAI veio mais uma vez confirmar isso. Fica claro mais uma vez, o tique característico de partidos populistas.

É preciso saber que há limites na intervenção do Governo de Cabo Verde, qualquer que ele seja, em matéria de soberania de outros países como é a concessão de vistos. É dentro desses limites que o Governo de Cabo Verde interveio no sentido de se conseguir vistos favoráveis aos três atletas a quem foram recusados. Talvez um Governo Revolucionário do PAICV fizesse melhor, vindo para a praça pública acusar o Centro Comum de Vistos de não conceder vistos aos atletas e mobilizando os jovens para manifestação.

A JpD sabe que o Governo de Cabo Verde tem apoiado e vai continuar a apoiar a nossa seleção na sua participação histórica no Mundial de Andebol em Egipto e deseja os maiores sucessos.

E é com sentido de responsabilidade que faz este posicionamento apelando aos jovens para não se deixarem seduzir por discursos demagógicos e populistas que oferecem facilidades para tudo e para todos mas que têm por detrás, outras intenções: apenas atingir o poder a qualquer custo e usando todos os meios legítimos e ilegítimos.

Praia, 11 de novembro de 2020

A Vice-presidente da JpD
Nadine Janete Tavares